Introdução

Mãe de 3 filhos (Rodrigo, Philippe e Fernanda), avó (quatro netas: Eduarda, Mirela, Luna e Laura), Supervisora Educacional, Profª aposentada de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira; Pedagoga e Pesquisadora, Graduada em Letras e Pedagogia e Pós-Graduada (Especialista em Língua Portuguesa e Iniciação Teológica); Mestre em Letras e Ciências Humanas. Trabalho muito, estudo bastante, adoro pesquisar, ler boas obras; folhear jornais e revistas, assistir telejornais; viajar, ir ao Shopping, utilizar a Internet. Crio algumas "quadrinhas", gosto de elaborar projetos que não sejam engavetados.

The Daily Puppy

Daily Calendar

Postagens populares

Total de visualizações de página

http://www.lokaliza.com.br

Notícias

Loading...

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Parabéns ao meu Engenheiro de Produção

Parabéns à minha avó, à minha mãe, aos meus filhos, à minha neta,  e aos netos que chegarão... Aos meus alunos, às pessoas que sabem ser amigas e a todos que acreditam no Deus da Vida!


No poema “O engenheiro”, se assiste a uma reflexão poética em versos livres, sobre o ofício da engenharia enquanto organização do espaço, coordenação de elementos concretos e integração com a natureza e o mundo, de forma lógica, mas justa e produtiva. É interessante ver como se aproximam engenheiro e poeta, ambos construtores de um mundo que se quer melhor, mais participativo, no qual, juntos, produzimos sonhos e realidades. é possível produzir sonhos? Sim! Somente quem crê, concretiza até mesmo sonhos! Ambos sonhando. A fantasia e a concretude. E que Deus nos dê sempre saúde para continuarmos a acreditar. A sonhar, ter fé e realizar! Essa é a produção! 
João Cabral de Melo Neto, em seu poema, sonhando, criou! Mas, de forma racional! Assim também concebo a poesia: racional, sem deixar de ter emoção!

O Engenheiro (trecho)
A luz, o sol, o ar livre
envolvem o sonho do engenheiro.
O engenheiro sonha coisas claras:
Superfícies, tênis, um copo de água.

O lápis, o esquadro, o papel;
o desenho, o projecto, o número:
o engenheiro pensa o mundo justo,
mundo que nenhum véu encobre.
(...)
A água, o vento, a claridade,
de um lado o rio, no alto as nuvens,
situavam na natureza o edifício
crescendo de suas forças simples.

Nenhum comentário: