Introdução

Mãe de 3 filhos (Rodrigo, Philippe e Fernanda), avó (quatro netas: Eduarda, Mirela, Luna e Laura), Supervisora Educacional, Profª aposentada de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira; Pedagoga e Pesquisadora, Graduada em Letras e Pedagogia e Pós-Graduada (Especialista em Língua Portuguesa e Iniciação Teológica); Mestre em Letras e Ciências Humanas. Trabalho muito, estudo bastante, adoro pesquisar, ler boas obras; folhear jornais e revistas, assistir telejornais; viajar, ir ao Shopping, utilizar a Internet. Crio algumas "quadrinhas", gosto de elaborar projetos que não sejam engavetados.

The Daily Puppy

Daily Calendar

Postagens populares

Total de visualizações de página

http://www.lokaliza.com.br

Notícias

Loading...

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Locuções Adjetivas * Estudem e acertem! (Não me deixem triste...)



Apresentamos apenas alguns exemplos. O espírito de pesquisa de cada um deverá encontrar novas contribuições e isso é muito importante para o aprendizado. Buscar algo enriquecedor para o conhecimento próprio e que possa, também, ajudar a construir o conhecimento de outras pessoas nos faz mais felizes! Educar e aprender é isso: ser feliz e desejar contribuir para alegrar outras pessoas também.

Locucões adjetivas:

É o agrupamento de duas ou mais palavras que, ao modificar substantivo ou pronome substantivo, exerce o papel próprio de adjetivo. Em geral, a locução adjetiva resulta do encontro de preposição e substantivo (como em teor de açúcar, expressão de macaco), ou preposição e advérbio (como em cardápio de hoje , pneus de trás).
Muitas locuções adjetivas equivalem a adjetivos eruditos, que significam "relativo a", "próprio de", "da cor de", "semelhante a".

de abdômen = abdominalde estômago = gástrico, estomacalde orangotango = pitecal
de abelha = apícolade estrela = estelar de orelha = auricular
de abóbora = cucurbitáceode éter = etéreo de outono = outonal
de abutre = vulturinode fábrica = fabril de ouvido = auricular, auditivo, ótico
de açúcar = sacarinode face = facialde ouro = áureo
de Adão = adâmicode falcão = falconídeode osso = ósseo
de águia = aquilinode fantasma =espectralde ovelha = ovino
de alface = lactúceode faraó = faraônicode pai = paterno, paternal
de alma = anímicode farinha = farináceode paixão = passional
de aluno = discentede fêmur = femural de palato = palatal
de amígdalas = tonsilarde fera = beluíno, feroz, ferinode pântano = palustre
de amor = eróticode ferro = férreode papa = papal
de andorinha = hirundinode fígado = figadal , hepáticode paraíso = paradisíaco
de anel = anularde filho = filialde parede = parietal
de anjo = angelicalde fogo = ígneode páscoa = pascal
de ano = anualde folha = foliáceode peixe = ictíaco, písceo
de aranha = aracnídeode formiga = formicularde pele = cutâneo, epidérmico
de asno = asininode frente = frontalde pênis = peniano, fálico
de astro = sideralde gado = pecuáriode pescoço = cervical
de audição = óticode gafanhoto = acrídeo de Platão = platônico
de aves de rapina = acipitrinode galinha = galináceode plebe = plebeu
de Baco = báquicode galo = alectóriode pombo = columbino
de baço = esplênicode ganso = anserinode porco = suíno, porcino
de baixo-ventre = alvinode garganta = guturalde prado = pratense
de bálsamo = balsâmicode gato =felino , felídeo de prata = argênteo, argentino, argírico
de bexiga = vesicalde gelo = glacialde professor = docente
de bílis = biliarde gesso = gípseode prosa = prosaico
de bispo = episcopalde Golias = goliardode proteína = protéico
de boca = bucal , oralde guerra = bélicode pulmão = pulmonar
de bode = hircinode homem = humano, viril de pus = purulento
de boi = bovinode idade = etáriodos quadris = ciático
de borboleta = papilionáceode Idade Média = medievalde raio = fulgural
de bosque = nemoralde igreja = eclesiásticode raposa = vulpino
de brejo = palustrede ilha = insularde rato = murino
de bronze = brônzeo, êneode insetos = entômicode rei = real
de cabeça = cefálico, capitalde intestino = intestinal, entérico, cilíacode rim = renal
de cabelo = capilarde inverno = hibernalde rio = fluvial , potâmico
de cabra = caprino de irmão = fraterno, fraternalde rocha = rupestre
de caça = venatório, cinegéticode joelho = genicularde romance = romanesco
de campo = rural de junho = juninode rosa = róseo
de cana = arundíneo de lado = lateralde sabão = saponáceo
de cão = caninode lago = lacustrede seda = sérico, seríceo
de cardeal = cardinalíciode lágrima = lacrimalde selo = filatélico
de Carlos Magno = carolíngiode leão = leoninode selva = silvestre
de carneiro = arietinode lebre = leporinode sobrancelha = superciliar
de cavalo = eqüídeo, eqüino, hípicode leite = lácteo , lácticode sonho = onírico
de cegonha = ciconídeode lesma = limacídeode sócrates = sintático
de cela , célula = celularde limão = cítricode sol = solar
de chumbo = plúmbeode lobo = lupinode sul = meridional, austral
de chuva = pluvial de lua = lunar , selênicode tarde = vesperal , vespertino, crepuscular
de cidade = citadino , urbanode macaco, símio = simiescode teatro = teatral
de cílio = ciliarde maçãs do rosto= malarde tecido = têxtil
de cinza = cinéreode madeira , lenho = lígneode terra = terrestre, terreno, telúrico
de circo = circensede madrasta = novercalde terremoto = sísmico
de cobra = colubrino , ofídicode mãe = materno, maternal de tijolo = laterário
de cobre = cúpricode manhã = matinal de tio = avuncular
de coelho = cunicularde mar = marinha, marítimo, equóreode tórax = torácico
de coração = cardíaco, cordial de marfim = ebúrneo, ebóreo de touro = taurino, táureo
de correio= postal de margem = marginalde trás = traseiro
de corujas = estrigídeosde mármore = marmóreode trigo = tritíceo
de costas = dorsal de memória = mnemônicode túmulo = tumular
de coxa = cruralde mestre = magistralde umbigo = umbilical
de crânio = cranianode moeda = monetário, numismáticode universo ( habitado) = ecumênico
de criança = pueril , infantil de Moisés = mosaicode unha = ungueal
de dança = coreográficode monge = monacal, monásticode vaca = vacum
de daltonismo = daltônicode monstro = monstruosode vasos sangüíneos = vascular
de dedo = digital de morte = mortal, letal , mortíferode veado = cerval , elafiano
de Descartes = cartesiano de nádegas = glúteode velho , velhice = senil
de diamante = adamantino, diamantino de nariz = nasalde vento = eóleo , eólico
de dinheiro = pecuniáriode navio = navalde verão, estio = estival
de direito = jurídicode neve = níveo , nivalde víbora = viperino
de éden = edênicode Nilo = nilóticode vida = vital
de eixo = axial de noite = noturnode vidro = vítreo, hialino
de embriaguez = ébriode norte = setentrional, boreal de vinho = vínico, vinário, vinosos, víneo
de enxofre = sulfúrico, sulfúreo, sulfuroso de noz = nucularde vinagre = acético
de erva = herbáceode nuca = occipitalde violeta = violáceo
de espelho = especular de óleo = oleaginoso de virilha = inguinal
de esposa = uxorianode olhos = ocular, óptico, oftálmicode virgem = virginal
de esposos = esponsalde Olimpo = olímpicode visão = óptico ( ótico )
de esquilo = ciurídeode opala = opalino, opalescente de vontade = volitivo

Professora de redação é...
...uma educadora do pensamento e da interioridade

Escrever é um ato individual e solitário. É o momento em que se fecham as portas do exterior e se abrem as portas do mundo interior para nele o indivíduo mergulhar.

E essa tarefa não é tão simples. As pessoas não estão acostumadas a viver sós com seus pensamentos e sensações. Procura-se de uma forma ou de outra alternativas que favoreçam um contato mais constante com uma realidade física ou social. Recorre-se a situações que conduzam a uma comunicação seja como emissor, seja como receptor. A própria tecnologia de comunicação (televisão, rádio, telefone, cinema, internet) oferece aos indivíduos oportunidades para fugir a uma situação de solidão.

Se o estar só assusta as pessoas, é evidente que o ato da escrita, uma atividade essencialmente solitária, também assusta as pessoas. Ao se colocar diante de uma folha em branco, o indivíduo perde um contato mais estreito com a realidade física e social e embarca só para um vôo em seu universo interior.

Quem não está acostumado a realizar este vôo se perde no emaranhado de suas idéias, pensamentos e sentimentos. O mundo interior está confuso e desorganizado. Não se sabe qual caminho a seguir. Não se sabe o que existe neste mundo tão próximo, mas ao mesmo tempo tão distante.

Mesmo que o objeto da escrita seja um acontecimento, algo relacionado a uma realidade basicamente física, é difícil para o indivíduo escrever. Isso porque a realidade interior somente adquire significado e organização a partir de uma realidade exterior. E o escrever significa reorganizar a realidade exterior sob o prisma da realidade interior.

Dentro desse quadro, fica difícil entender a proposta de uma redação que não seja antecedida de uma preparação adequada. A professora que exige dos alunos uma redação porque eles estavam tendo atitudes indisciplinadas, ou a professora que simplesmente escreve na lousa um tema e, sem qualquer comentário, pede aos alunos que escrevam, essa professora certamente não está oferecendo aos alunos as condições mínimas para o ato da escrita. É evidente que a maioria dos alunos terá sérias dificuldades para escrever. Faltou aquecimento para o ingresso no universo interior. Faltou preparação mínima para um contato inicial com as idéias, os pensamentos e os sentimentos. E o aluno entra cego no seu mundo interior e nada vê. Conseqüentemente, escreverá coisas tão confusas ou superficiais quanto confuso e distante será o seu interior.

Por isso, a professora de Português ou polivalente tem o papel fundamental de ensinar ao aluno o mergulho em sua interioridade e os caminhos do raciocínio.

(in Metodologia do Ensino de Redação, Hermínio Sargentim)

Como estão seus conhecimentos nas orações subordinadas adverbiais?


Orações subordinadas adverbiais
1. (Turismo Morumbi-SP) Classifique a oração destacada: Não és mais prudente que eu:
a) subordinada adverbial final.
b) subordinada adverbial concessiva.
c) subordinada adverbial consecutiva.
d) subordinada adverbial comparativa.
e) subordinada substantiva subjetiva.
2. (Turismo Morumbi-SP) Fiz lhe sinal que se calasse. A oração destacada classifica-se como:
a) subordinada adverbial final.
b) subordinada adverbial concessiva.
c) subordinada adverbial consecutiva.
d) subordinada adverbial comparativa.
e) subordinada substantiva subjetiva.
3. (EFOA-MG) "Quando vejo certos colegas mostrando com orgulho aquela rodela imbecil no pescoço..."
O período que apresenta uma oração com a mesma classificação da sublinhada na citação acima é:
a) "Mal o sol fugia, começavam as toadas das cantigas."
b) "Caso o encontre, dê lhe o recado."
c) "Dado que a polícia vinha, prenderemos o assassino."
d) "Uma vez que cheguem os reforços, atacaremos a praça."
e) "Contar-lhe-ei o caso, conquanto você guarde segredo."
4. (ITA-SP) Em qual dos períodos abaixo há uma oração adverbial que expressa idéia de concessão?
a) Diz-se que a obra de arte é aberta; possibilita, portanto, várias leituras.
b) Pode criticar, desde que fundamente sua crítica em argumentos.
c) Tamanhas são as exigências da pesquisa científica, que muitos desistem de realiza-la.
d) Os animais devem ser adestrados, ao passo que os seres humanos devem ser educados, visto que possuem a faculdade da inteligência.
e) Não obstante haja concluído dois cursos superiores, é incapaz de redigir uma carta.
5. (EU Ponta Grossa-PR) Em: "O moço ficou tão emocionado que chorou", a segunda oração é subordinada adverbial:
a) comparativa;
b) proporcional;
c) consecutiva;
d) causal;
e) temporal.
6. (Cásper Líbero-SP) "Já que não pude ser feliz, busquei a companhia dessas aves que nasceram livres." Neste período há:
a) subordinada adverbial causal e subordinada adjetiva;
b) subordinada adverbial concessiva e subordinada adverbial consecutiva;
c) subordinada substantiva objetiva direta e subordinada adjetiva;
d) subordinada substantiva objetiva direta e coordenada sindética adversativa;
7. (UFV-MG) "Um dia, como lhe dissesse que iam dar o passarinho, caso continuasse a comportar-se mal, correu para a área e abriu a porta da gaiola." (Paulo Mendes Campos)
As orações destacadas são, respectivamente, subordinadas adverbiais:
a) causal e condicional;
b) comparativa e causal;
c) condicional e concessiva;
d) conformativa e consecutiva;
e) comparativa e conformativa;
8. (UM-SP) Assinale a alternativa em que a palavra como assuma valor de conjunção subordinada conformativa:
a) Como ele mesmo afirmou, viveu sempre tropeçando nos embrulhos da vida.
b) Como não tivesse condições necessárias para competir, participou, com muita insegurança, das atividades esportivas.
c) As frustrações caminham rápidas como as tempestades das matas devastadoras.
d) Indaguei-lhe apreensiva como papai tinha assumido aquela contínua postura de contemplação.
e) Como as leis eram taxativas naquele vilarejo, todos os moradores tentavam um meio de obediência às normas morais.
9. (FUVEST-SP) "(TIM) foi um técnico de sucesso mas nunca conseguiu uma reputação no campo à altura da sua reputação de vestiário."
Começando a frase por "Nunca conseguiu uma reputação no campo à altura da sua reputação de vestiário", para manter a mesma relação lógica expressa na frase dada inicialmente, deve-se continuar com:
a) enquanto foi...
b) na medida em que foi...
c) ainda que tenha sido...
d) desde que fosse...
e) porquanto era...
10. (Tibiraça-SP) Classifique as orações destacadas:
I. "Embora lhe desaprovassem a forma, justificavam-lhe a essência."
II. "A estrela que nasce tinha tanta beleza que voluntariamente a elegeu minha sorte."
III. "Naquela noite, ele disse a todos que desejava que fosses feliz."
a) oração subordinada adverbial conformativa, oração subordinada adjetiva restritiva, oração subordinada adjetiva explicativa.
b) oração subordinada adverbial concessiva, oração subordinada adverbial causal, oração subordinada substantiva completiva nominal.
c) oração subordinada adverbial concessiva, oração subordinada adverbial consecutiva, oração subordinada substantiva objetiva direta.
d) n.d.a.

Gabarito:

Orações Subordinadas
Adverbiais: Confira!
1 - D
2 - A
3 - A
4 - E
5 - C
6 - A
7 - A
8 - A
9 - C
10 - C

Sabemos que as vogais na língua portuguesa representam o chamado "cume silábico", ou seja, qualquer sílaba tem de possuir uma vogal, quer tenha consoante ou não, sendo essa vogal o segmento fonético pronunciado com maior intensidade.

Pois bem, você seria capaz de pronunciar, imediatamente , sem pensar muito, uma palavra que não tenha a letra “A”? Não é muito difícil, mas e um texto que não contenha a letra “A”?

Leiam um artigo interessante, da revista "língua portuguesa", sobre um desafio lançado por um professor em 2005, ao auxiliar financeiro Magno Alves de Araújo: produzir um texto sem utilizar a letra “A”. Tarefa nada fácil, mas eis o texto:

“Tudo requer muito equilíbrio psiclológico, pois o nosso viver, o nosso mundo, tudo que se move, se bebe, que se come e dorme requer o devido equilíbrio. E equilíbrio é sempre um jeito de ser. Um jeito moderno deste novo século é o de que é preciso “ser”. Eu me pergunto:”Eu sou? Estou? Eu existo? Eu quero? Eu vivo?”

-Sim! Eu vivo! – É só o que sinto. Vivo num mundo sofrido, pobre de espírito, poderoso, sem motivos nem objetivos. Pode ser novo ou velho, rico ou pobre, solteiro ou viúvo, feliz ou triste.

Vivemos sós e nenhum de nós persiste muito em viver, em querer, no nosso compromisso um com o outro, no motivo...que motivos temos em nosso mundo com gente morrendo de fome, de sede, com suicídios, enfim, mortes e mortes e mortes. Entendeu? Nem eu.”

terça-feira, 16 de junho de 2009

É a minha cara esse gif! Adoro bicicleta com cestinha de flores!



Também concordo com o texto, simples, objetivo, porém difícil para muitas pessoas que vivem para puxar tapetes. Essas não conseguem captar a essência das coisas. É uma lástima! Cada momento nosso é único e precisa ser bem vivido, em Paz e Bem!